Corpo de americano desaparecido por 22 anos é encontrado preservado em montanha do Peru

(Crédito: Peruvian National Police/AFP/Isto É)

O corpo do alpinista americano William Stampfl, de origem eslovena, foi encontrado mumificado e com suas vestimentas em bom estado de conservação, na segunda-feira, 8. Ele havia desaparecido em junho de 2002 quando escalava uma montanha nevada com mais de 6.700 metros de altura no Peru.

O sumiço do americano foi reportado após uma avalanche de neve no Huascarán, na região de Áncash, cerca de 400 km ao norte de Lima.

“Após uma intensa busca, localizaram o corpo mumificado e desidratado no Huascarán”, a montanha mais alta do Peru, indicou a polícia em suas redes sociais.

A descoberta foi possível devido ao derretimento das geleiras dos nevados, consequência das mudanças climáticas, fenômeno que afeta a Cordilheira Branca dos Andes peruanos, expondo o cadáver ao ar livre.

Stampfl estava vestido com suas roupas de escalada, arnês e botas, todos bem conservados, conforme mostram as imagens divulgadas pela polícia.

Os socorristas o identificaram graças ao passaporte estadunidense encontrado entre suas roupas. Stampfl tinha 59 anos na época do acidente.

As condições de frio extremo do Huascarán, que podem chegar a -19°C durante a noite, teriam permitido a conservação do corpo desde 2002.

Segundo o relatório da polícia, os socorristas “encontraram o corpo a uma altitude de 5.200 metros, próximo ao acampamento base um do Huascarán”, uma área caracterizada por fendas e considerada perigosa. O corpo foi levado para o necrotério da cidade de Yungay.

Em junho, também foi encontrado o corpo de um escalador italiano que sofreu um acidente ao tentar uma escalada no nevado Cashan, que tem 5.716 metros de altura.

A Cordilheira Branca, conhecida pela cadeia montanhosa do nordeste do Peru, que abriga montanhas como o Huascarán e o Cashan, é uma área turística frequentada por alpinistas de todo o mundo.

OUÇA AO VIVO
BAIXE EM SEU CELULAR
PUBLICIDADE